quarta-feira, março 1

As putas...

O título pode parecer um pouco ordinário, mas não é essa a intenção, simplesmente acho muito mais fácil chamar-lhes putas, sem qualquer tom prejurativo do que prostitutas ou o tão na moda mulheres da vida...
É frequente em circulos de amizades masculinas falar-se das putas, e contarem as suas experiências, confesso que a mim essa vertente da vida nunca me chamou atenção, acho estranha a ideia de ter de pagar para algo que consigo ter à borla, mas nunca fui um fundamentalista que acha isso desprezível ou algo deplorável, nada disso... apenas prefiro a conquista pelo talento (ou seja lá pelo que for) do que a conquista por algo material, saber-se que só estamos a fazer algo porque pagamos por isso parece-me ser algo muito pouco entusiasmante. Dos homens que frequentam putas, existe de tudo, desde o gajo que não consegue arranjar a foda e vai lá vaza-los de vez em quando; o gajo que lhe apetece dar uma foda hardcore e a mulher ou namorada não deixam ou não querem; o gajo que lhe apetece dar uma foda hardcore e apesar da mulher ou namorada até deixarem o gajo não se sente à vontade (quem não se lembra do Telmo do BB dizer que a mulher dele não lhe iria nunca fazer sexo oral por ser mãe dos seus filhos) e existem os últimos, os putanheiros cuja ida ás putas é puro prazer e divertimento e algo que acontece com regularidade.
Como digo não critico e até tento perceber o que leva tanta gente a recorrer a este serviço, chamemos-lhe assim, mas por vezes faz-me confusão ver como tanta gente que não precisa daquilo para nada, arrisca tanto... em termos de saúde, em termos de relacionamentos, etc.
No outro dia um gajo dizia-me que à medida que um relacionamento avança menos nós queremos foder e mais elas querem, e passo a explicar a teoria do animal (eehehe), nós quanto mais tempo temos uma gaja ao lado menos nos apeteceria foder por ser já algo conhecido e um broche ficaria sempre bem em vez das tais constantes fodas, por outro lado a gaja iria ganhando sempre mais confiança o que lhe daria vontade de foder cada vez mais e experimentar coisas que de início até não experimentaria, e é com este último ponto que concordo. Lá um gajo fartar-se de foder só porque já tá com a mesma pessoa há muito tempo, acho que só acontece se não houver imaginação e vontade de sair das rotinas, mas sobre o 2º ponto desta "tese" dele concordo, e acho que até mesmo as mulheres iram concordar com isto, que a confiança que elas vão ganhando com o coração reflecte-se depois com a confiança que dão na cama...
Será por isso necessária esta corrida às putas? Será mesmo necessário que procurem noutra mulher o prazer que quem está ao lado não lhes dá? Será que não vale mais a pena falar abertamente sobre os nossos desejos mais reconditos com quem nos sentimos bem e tentar que isso aconteça? É que a ideia que tenho é que se muitos fizessem isso, poupavam muito dinheiro e chatices, pois se calhar iriam ter alegres surpresas... mas pronto, é mais fácil pagar do que conquistar sem dúvida...
E vocês o que acham disto ? Homens e Mulheres claro...

2 comentários:

{-Sutra-} disse...

Como mulher não posso falar de eu «ir às putas», mas se há coisa que não tenho é tabús na cama.
E acho que pelo meu blog podem verificar que eu encaro a sexualidade como algo de natural, em que o diálogo entre um casal está acima de tudo.
E só assim ambos sabem como satisfazer o outro, sem necessidade de meter as «putas» pelo meio. É como dizes - poupa-se dinheiro e uma quantidade de chatices, além de que - julgo eu - deve ser bastante excitante estar com a mulherzinha ao lado, num ambiente sério, olhar para ela e saber ali é uma lady e na cama é uma puta só para ele. :-)

Bj doce

trombocid disse...

o tom não pode ser "prejurativo" mas sim pejorativo...

Venha Divertir-se !!!

Esperam-te...