terça-feira, Março 3

Walk on the beach

Finalmente, o tempo estava a ficar melhor, e as saudades de uma caminhada na praia vieram ao de cima, mas sozinho não me apetecia... foi então que resolvi ligar à Ruth, uma recente amiga, com quem ainda nem havia tido contacto pessoal.

Fui busca-la e rumamos então directos à minha praia favorita, chegados lá, descalçamo-nos e sentimos aquela confortável frescura da areia fina entre os dedos dos pés, à medida que a espuma das ondas, ainda fria, ia limpando as pegadas por onde passavamos, como que limpando qualquer pista ou presença da nossa passagem.

Reparo numa velha cabana de pescador, habitada da última vez que ali tinha passado, porém agora com ar abandonado de portas abertas.

A curiosidade foi maior que o receio, e optámos por dar uma espreitadela.

Ao entrar, o espanto, apenas uma cama de rede se estendia de um lado ao outro, e o que faltava do tecto, já gasto pela erosão do tempo, deixava entrar um feixe de luz que aquecia aquela pequena habitação.

Ali ficamos um pouco mais, conversando, conhecendo-nos melhor... mas há medida que o tempo passava, mais queriamos conhecer um do outro.

O peito que aquele decote escondia, chamou as minhas mãos, 2 sentidos já estavam apurados, a visão, e o olfacto que me trazia aquele suave aroma que emanava do seu corpo, faltava agora o tacto e por isso arrisquei um beijo...

...um leve toque nos seus lábios fizeram-me sentir um tremor...uma emoção..."o que é isto??" pensei....

As minhas mãos ao de leve foram percorrendo a sua cara....os seus lábios...e num toque arrebatador abracei-a, sentindo o seu coração a palpitar cada vez mais e os seus braços tocaram-me de uma forma suave, mas ao mesmo tempo transmitindo uma vontade louca de nos agarrarmos cada vez mais.

Ela parou!!E um subito olhar fez-me gelar...porque será que ela parou???Pensei....

Os nossos olhares entrelaçaram-se, e ela voltou a beijar-me, assumindo agora o beijo. Senti o degelo no meu corpo, e rapidamente deu lugar a um calor que vinha de dentro ...

Abraçamo-nos fortemente, fugazmente, deixei a minha lingua percorrer o seu pescoço, a minha mão segurava-a pela nuca e foi bem perceptível um arrepio. Comecei a desabotoar, botão-a-botão, aquela camisa que escondia o corpo que queria descobrir...

Fui descendo até ter o peito a descoberto, desenhei pequenos circulos em volta daqueles mamilos rosados, ao mesmo tempo que sentia as mãos dela a querer descobrir mais de mim.

A forma como a tocava notoriamente a desconcentrava, aos poucos sentia que ela ia perdendo o control...
E as suas mãos tocavam-me cada vez com mais intensidade....agarrava-me na nuca puxando a minha cabeça contra o seu peito....

E os seus gemidos cada vez me deixavam mais louco de desejo e prazer...

Levantamo-nos...e num repente encostei-a contra a parede....começando a percorrer todo o seu corpo, inicialmente com as minhas mãos e depois com a minha boca....com a minha lingua...

Aquele piercing no umbigo deixou-me passado....louco mesmo.... tão louco que lhe desabotoei as calças, baixei rapidamente aquele fio dental, e virando a de costas para mim, mãos na parede, comecei a beija-la... desta vez, comecei pelos tornozelos e fui subindo.

Cobri com a minha lingua cada centimetro de pele, saboriei aquela deliciosa covinha entre a nadega e as pernas, e deixei a minha lingua saborear aquele suco delicioso que me esperava. As pernas tremiam-lhe, deixei a minha lingua passar-lhe pelo rabinho e subi pela coluna até à nuca, penetrei-a, assim de costas, com uma mão a segura-la contra mim pelo peito, a medida que lhe beijava as costas.

Deitamo-nos no chão, ela por cima de mim, controlando cada movimento. Com as mãos apertava-lhe uma nadega contra a outra, sentindo-a cada vez mais apertada, mais quente e mais suculenta...

Pedi-lhe que se sentasse na minha cara, já estava com saudades de poder sentir de novo aquele sabor... humm tão gostoso, tão saboroso, tão bom...

Sentou-se de novo por cima de mim, não sem antes me provar também... Que bom sentir o calor daquela boca a envolver o meu pau, deixou a saliva cair sobre ele à medida que me olhava com aqueles olhos de gata provocante... Virou-me as costas, sentou-se em cima de mim de costas, e só o facto de ver aquele rabo a saltar à minha frente deixou-me à beira do orgasmo, senti-a vir-se para mim, os seus gemidos ecoaram naquela velha habitação abandonada, e finalmente pude vir-me, derramanda o meu leitinho naquelas nadegas lindas...

Voltamos a beijar-nos, e tinhamos a praia à espera, do que restava do passeio...

sexta-feira, Dezembro 28

Peep Show



Ali estavamos os dois, num café cheio de gente e numa mesa com mais amigos, não conseguia parar de olhá-la com ar de diabinho, e ela não parava de corresponder, mesmo no meio daquela gente toda, a tensão sexual era bem palpável...
Levantou-se da mesa sem avisar, passou por trás de mim e disse-me ao ouvido "não aguento esperar mais", levantei-me, paguei a conta e puxei-a pela mão para fora do café e assim que passamos aquela fronteira houve um beijo quente... muito quente...
Para onde ir? Uma ideia louca passou-me pela cabeça, mas sabia que ela não iria recusar, tanto que nem perguntou onde iamos...
Por ruas e travessas lá chegamos, a Sex Shop...
Olhou-me e riu-se, "o que tens em mente?" - perguntou-me. "Já vais ver..." - retorqui eu.
Após uma breve negociação e sob falsos pretextos lá convenci a funcionária da loja a deixar-nos entrar aos dois, contra as regras, para aquela cabine confinada e apenas decorada em tons de vermelho e com um banco perfeito para os dois...
Entrámos, luzes apagadas e meto moedas suficientes para estar ali algum tempo sem sermos chateados.
As cortinas sobem e aparece a modelo que se exibia e fingia ter prazer para os clientes, a ideia tinha-lhe agradado e não tardou a que mo mostrasse ao começar a tocar-se olhando-me com ar de sacana. Baixei as calças e sentei-me ao seu lado, masturbando-me, não tardou muito a trocarmos, a minha mão nela, a mão dela em mim...
Olhavamos os dois para aquele espectáculo, que devo dizer bem executado, sentia o seu calor e os seus fluidos nos meus dedos e não resisti a levá-los à boca. "Também tenho sede" - disse-me ela - e ajoelhou-se perante mim, desapertou a blusa e tirou o soutien e mostrou-me aquele peito lindo, que encostou ao meu pau. "Vou-te chupar para matar a minha sede, enquanto te divertes com o espectáculo" - disse-me ela - "quero mais do que isso" - retorqui. "Agora mando eu, escolher o lugar, eu dito as regras" e para isto não tive resposta.
Observei as curvas da rapariga que mostrava saber bem o que fazia, ao mesmo tempo contemplava aquele corpinho de rabinho espetado e comigo bem dentro da boca, chupou-me devagar e rápido, com força e suavemente, brincou, deliciou-se e fez-me vir naqueles lábios que adoro... ainda assim continuava com ele bem teso.
"Agora não me podes negar mais..." disse eu com ar sacana, ela olhou para o meu pau e respondeu "sim... já matei a minha sede, agora podemos matar a nossa fome", virei-a de costas para mim e ela colocou as mãos no vidro, olhando de frente para a stripper, "é boa a gaja" - disse-me ela - nem respondi, estava demasiado ocupado a saborear aquela coninha rapadinha e de papo gostoso, e a lubrificar com a minha saliva aquele rabinho apertadinho onde ia colocando o meu dedo. Veio-se na minha boca uma primeira vez, foi o mote para que metesse o meu pau dentro daquela coninha bem molhada e quentinha e começasse a dar-lhe umas palmadas (a seu pedido) naquele rabinho empinado, segurei-a pelo peito e dei-lhe bem fundo, "vou-me vir outra vez" - disse-me - esforcei-me para me contar depois daquele teasing e saí daquela coninha, ajoeilhei-me, provei-a mais uma vez, e levantei-me entrando naquele rabinho apertado. Ainda não tinha entrado todo e já ela se tocava e se vinha para mim... humm que bom, sentir aquele cuzinho a fazer a força típica de quando se tem um orgasmo, não durei muito mais tempo dentro dele até sair e vir-me naquelas nádegas lindas.
Limpá-mo-nos e saímos da cabine ainda de cortinas levantadas, mas para nós o show tinha acabado. A rapariga da loja sorriu-nos à saída, notando-nos um pouco mais descompostos nas farpelas e de respiração mais ofegante, do que quando tinhamos entrado...

sexta-feira, Novembro 2

Regressei...

... eu disse que não tinha fugido, desaparecido, ou muito menos morrido...

Aqui volto, e neste primeiro regresso, num estilo diferente, espero que gostem...


Na areia os dois
Os grãos de areia como nossos lençois
Aquecido por esse sorriso
Mais quente que mil Sóis,

Desfolhaste-te para mim
Com a graciosidade com que uma flor
Deixa cair as suas pétalas,
Graciosamente e sem pudor

Dois corpos entrelaçados,
Num movimento que nos unia
Quis sentir o teu corpo
E saber ao que ele sabia


Bebi na fonte da vida
Percorri as tuas montanhas e vales
O meu corpo era teu, o teu era meu
Nesse momento que deixou saudades...

As saudades são, um sentimento puro
Conduzido pela paixão
As saudades são as lágrimas
Do pranto que existe no Coração...

quarta-feira, Agosto 1

Sem comentários...

P.S. - Não morri... apenas uma pausa sabática... "I'll be back"

segunda-feira, Junho 18

Ser-se Fiel

Eu era feliz...A minha namorada e eu estávamos juntos há mais de um ano, por isso decidimos casar.
Só havia uma coisa que me chateava: era a irmã mais nova dela. A minha futura cunhada tinha 18 aninhos, usava minis saias e grandes decotes...Tinha a mania de vir se abaixar bem perto de mim, e tive muitas vezes visões agradáveis da sua roupa interior. Um dia ligou-me e convidou-me pra ir ver os convites do meu casamento.
E lá, disse-me que em breve eu estaria casado, e que ela tinha sentimentos e desejos por mim que não conseguia e nem queria esquecer. Ela queria fazer amor comigo somente uma vez antes de eu me casar. Eu fiquei em total choque e nem consegui dizer uma palavra.

Ela disse:"Vou lá pra cima para o meu quarto. Se quiseres, só tens de subir e apanhar me...".

Fiquei atônito. Estava congelado enquanto a observava subir as escadas. Quando ela chegou ao topo da escada, puxou a calcinha e atirou-a pela escada para mim. Eu fiquei lá por um momento, então virei-me e fui direto para a porta dafrente. Abri a porta e saí da casa. Caminhei em direção ao meu carro. O meu futuro sogro estava lá fora.
Com lágrimas nos olhos abraçou-me e disse:"Estamos muito contentes que tenhas conseguido passar no nosso pequenoteste! Não podíamos pedir um melhor homem pra nossa filha. Bem vindo à família!".
Moral da história:"Guarde sempre os preservativos no carro"

quinta-feira, Junho 14

Desafio das 7 respostas

Apesar de não ser muito apreciador deste tipo de "correntes", tenho de dar o braço a torçer que são cada vez mais frequentes e não me quero manter isolado da comunidade bloggista, como tal respondo aqui ao desafio lançado a mim no TTT (www.threetotango.blogspot.com).

SETE COISAS QUE FAÇO BEM :

  1. Saborear... cada recanto de um corpo feminino...
  2. Beijar... não é o beijo o começo de tudo ?
  3. Massajar... porque antes de contrair, às vezes sabe bem descontrair ... ou porque depois de cansar sabe bem relaxar...
  4. Apalpar... porque tal como o amor, o Desejo pode levar-nos à cegueira, e aí só mesmo aos apalpões...
  5. Seduzir... porque é o jogo que mais gosto de jogar, o da sedução...
  6. Imaginar... Se a imaginação não é a melhor ferramenta que temos (pronto, ou a 2ª melhor :) ) então não sei qual será ;)
  7. Escrever... Porque gosto e dá-me gozo ver que consigo envolver quem me lê

SETE COISAS QUE NÃO FAÇO BEM:

  1. Hipocrisia... não tenho mesmo jeito para isso !
  2. Fazer fretes... vêem logo pela minha cara que os estou a fazer...
  3. Lidar com Tabus... irritam-me e quem os conserva ainda me consegue irritar mais...
  4. Tolerar falta de inteligência... o meu humor sarcástico geralmente começa a funcionar...
  5. Ser Insensível... Reaja bem ou reaja mal... mas reajo!
  6. Evitar um olhar directo... se me olham nos olhos, vão ter de levar com os meus também, porque não os desvio...
  7. Egoísmo... Quando pressinto que o começo a ser, tenho tendência a alterar logo o comportamento, porque as coisas fazem sempre mais sentido quando disfrutadas por ambos.

SETE COISAS QUE ME ATRAIEM NO SEXO OPOSTO:

  1. Inteligência... sem isso muito dificilmente as coisas avançam
  2. Sentido de Humor... revela inteligência e sorrir é sempre o melhor remédio
  3. Optimismo... já chegam os problemas que temos quanto mais sofrer com os que ainda não chegaram
  4. Pernas bem torneadas... adoro, adoro, adoro...
  5. Impulsividade... Não há mas, nem meio mas, é e quando menos se espera
  6. Olhos Expressivos... Quando os olhos falam, as pessoas veêm por bem
  7. Insanidade... Para lidar comigo (LOL)

SETE COISAS QUE DIGO FREQUENTEMENTE:

  1. "Já estou a ficar maluco..."
  2. "Let me show you the world in my eyes..."
  3. "O Desejo Mora Aqui..."
  4. "Hummm... tao bom"
  5. "Vá não penses nisso... disfruta apenas"
  6. "Eu sei que gostas..."
  7. "Depois desta... outra?"

SETE ACTORES OU ACTRIZES QUE ADMIRAMOS:

  1. Angelina Jolie - Tem o pacote completo: atraente, bonita, inteligente... e variada da mona
  2. Vanessa Paradis - Já vem desde puto, não dá para explicar...
  3. Helena Christensen - Se ela quiser fazer um remake do Wicked Game do Chris Isaak... ;)
  4. Salma Hayek - Exotismo em estado puro
  5. Paris Hilton - Porque além de ser linda, tá-se marinbando para o que pensam...
  6. Jonny Depp - Variado da mona, grande talento, casado com a Vanessa Paradis, e adora aditivos
  7. Edward Norton & Val Kilmer- Pelo "América Proíbida" e "The Doors : The Movie" respectivamente

Vou só quebrar um pouquinho da tradição (será um pouco a rebeldia a funcionar?) e não vou nomear os outros 7 blogs... mas ficaria contente se os meus leitores que lerem isto e não tenham sido ainda desafiados, se auto-desafiem...

quinta-feira, Maio 31

Lua, lua, luar...

A noite não estava quente, nada quente para a altura do ano, mas ainda assim parece que a força da lua cheia nos impeliu a ir dar uma volta na praia deserta…
Era impossível ficar indiferente ao som do mar, numa praia vazia, com a lua a reflectir naquele espelho imenso, e a ondulação a apagar as pegadas que deixávamos na beira mar, como que querendo limpar as provas de um crime…

Sentados em cima do saco cama, fui buscar um pouco daquela água fria na minha mão e deixei escorrer-lhe umas gotas no pescoço, tremeu claro, a agua estava fria e aquilo provocou-lhe um arrepio, mas maior provocou depois a minha língua a saborear aquelas gotas salgadas que desciam lentamente, era um sabor de quente e frio como ela dizia entre um sorriso maroto…

A noite parecia que estava a mudar de clima, o fresquinho pouco característico desta altura do ano começava a dar azo a um calor bom, ao calor do tacto de ambos descubrindo-nos sem caminhos proibidos, pois todos eles não haviam ainda sido percorridos…

Aquela imensidão de areia sem ninguém era ao mesmo tempo excitante, mas também preocupante, será que poderíamos ter companhia ? Não sei se tivemos, mas também não interessava a única companhia que queríamos era mesmo a lua e o mar e essas faziam questão de mostrar que estavam bem presentes. As roupas começaram a sair ao ritmo das ondas que enrolavam na areia, deixei a minha língua vaguear naquele corpo de sombras da lua cheia, saborear cada recanto, fazer o quente e frio entre pedaços de agua salgada e o calor da minha boca… e o calor da boca dela ? Hummm, parece que ainda o sinto a percorrer-me a boca, os lábios, o peito, a chupar-me os dedos, a segurar-me nele e a prová-lo… enquanto eu a observava com o mar como pano de fundo.

O 69 parecia a melhor hipótese, não queria deixar de sentir aquela boca, mas também queria ter o sabor dela de volta, e que bom que foi saborear entre aquela coninha boa e o rabinho bem feito e sentir-me a ser saboreado ao mesmo tempo…

Escorreguei de fininho por baixo dela, deixando-a ficar naquela posição de gatas e entrei por trás, rimo-nos com o facto de o estar a fazer ali tão perto do mar, e com vista para o mar ehehehe, e entre sorrisos e olhares sacanas eu ia penetrando-a e sentindo-a cada vez mais húmida, mas sempre tão apertadinha….

Sentei-me e ela sentou-se por cima, que bom beijar aqueles seios naquele vai-e-vem de prazer, mordiscava-me as orelhas e isso deixava-me louco, segurava o seu corpo contra o meu e o calor aumentava mais e mais, deixei as minhas mãos descaírem até aquelas nádegas, dei uma palmada suave e ela riu-se “não queres bater com mais força ? Aqui ninguém nos ouve” e sem responder fiz o que me pediu, deixou a cabeça cair para trás e sorriu de prazer, deixei os dedos vaguearem e começarem a brincar com aquele rabinho, e essa brincadeira estava a ser boa para ambos, sussurrou-me “e se trocasses os dedinhos… por algo mais…” aquela frase teve um qualquer poder em mim que me transfigurou, levantei-a pegando á colo sem nunca sair de dentro dela, e penetrei-a assim, em pé com ela agarrada ao meu pescoço, veio-se para mim e pousei-a de novo no saco cama, de gatinhas para mim e fiz-lhe a vontade, penetrando aquele rabinho tão bom, com jeitinho, devagar, aumentado a profundidade da penetração, tentando segurar o prazer que sentia que estava a chegar, até que me vim assim mesmo… ao mesmo tempo que ela se vinha outra vez…

Após pararmos, o frio parece que voltou, os corpos quentes arrefeciam mas a noite tava perfeita demais para ir já embora, abrimos o saco cama, enfiamo-nos la dentro e ficamos ali ainda um pouco abraçados e a olhar a lua…

Venha Divertir-se !!!

Esperam-te...